Mais alguns últimos desejos na Cidade Luz

{21 de abril de 2012.}

Nós, meu irmão e minha cunhada tínhamos desejos diferentes sobre Paris, para nós, era a segunda e terceira vez que estávamos por lá, para eles, era a primeira. Por isso havia coisas que eles queriam ver que já tínhamos visto. E por isso nos dividimos na maioria dos dias. Mas no sábado de manhã, queriamos ver uma coisa em comum, as Catacumbas de Paris.

Fomos até o local, e descobrimos que não éramos os únicos que tiveram a brilhante ideia! Tinha mais umas centenas de pessoas ansiosos por visitar as Catacumbas, a fila dava a volta na praça e estávamos a uns bons 100 metros da entrada. Demos uma chance ao destino e aguardamos por cerca de 1 hora, na qual devemos ter andado coisa de 3 metros… Como era nosso último dia em Paris e a tarde já iríamos embora, decidimos não perder mais tempo ali naquela fila e deixar as Catacumbas para uma próxima vez…

Nos separamos, eu e Caio fomos ver outro ponto da cidade que eu prometi a mim mesma que não deixaria de ver essa vez, os Canais de St. Martin, aquele onde a Amelie Poulain joga as pedrinhas *—* – como não amar? O canal é longo e foi construído em 1802 a mando de Napoleão, para suprir a necessidade de água para uma então população crescente na cidade. Como não é trajeto natural da água, ele foi construído com uma serie de eclusas para compensar os desníveis. Existe um passeio que se faz a bordo de um barco, para turistas, mas nós, mochileiros que somos, optamos por fazer o trajeto a pé mesmo e foi lindo da mesma forma.

DSC_0879   DSC_0884 DSC_0899DSC_0873 DSC_0912DSC_0875

Se eu joguei pedrinha? Não.. não tive coragem. Parecia que estaria cometendo um vandalismo. Mas devia ter jogado…

De lá fomos até o bairro mais intelectual de Paris, Saint-Germain-des-Prés, onde vimos a igreja de mesmo nome, a mais antiga de Paris ainda de pé. Mas não fomos lá para isso, a verdade é que eu queria realizar um último desejo a respeito da cidade, comprar e provar os legítimos macarons, e tinha que ser na Ladurée, a mais tradicional fabricante do doce no mundo (eu já tinha comido os macarons em Paris na nossa passada por ali quanto viajávamos de Rouen para Brugges, mas era do McDonalds, não vale). Na nossa última visita, eu lembrava de ter passado por uma loja deles nesse bairro, ficava numa esquina. E eu queria encontrá-la novamente, mas no mapa que tínhamos em mãos ela não estava sinalizada e veja bem, nesse ano ainda não tinhamos smartphones para nos ajudar (o mundo até já tinha, mas nós ainda não). Por isso andamos um tempão por diversas ruas, mas finalmente comecei a reconhecer o lugar e voilá! lá estava ela, na mesma rua, mesma esquina e com a mesma vitrine maravilhosa. Fiquei orgulhosa da minha capacidade de memorização espacial e muito dividida na hora de selecionar os 8 sabores de macarons que minha caixa tinha direito. 🙂

DSC_0913 DSC_0918 DSC_0924

E com isso acabaram nossos passeios em Paris dessa vez. Voltamos para o Hostel onde nos reencontramos com nosso casal padrinhos de casamento e companheiros da viagem, e pegamos um taxi para o aeroporto, onde fizemos um último micro tour pela cidade ao som de Michel Teló “Ai se eu te pego”!!! (sim, o sucesso chegou em Paris).

532971_374139149292199_100000883513457_982737_1474114984_n

Ao sair de lá e agora, reescrevendo nossa trajetória nesse blog, me pego pensando em como Paris oferece coisas para visitar e conhecer, ela é linda e fascinante sob diversos aspectos, e mesmo que eu morasse uma vida inteira lá, ainda teria coisas para conhecer, ou mesmo rever sob outros ângulos, que sempre acabam nos surpreendendo, como ao decolar do aeroporto ao anoitecer, onde vi uma das mais belas visões da minha vida, a Cidade Luz vista do céu. Uma pena que nenhuma foto que eu tenha tirado conseguiu retratar, de fato, o que eu vi.

DSC_0935DSCN6111  DSC_0942

Nossa viagem de volta para casa não teve nenhum imprevisto dessa vez. Quando chegamos em Curitiba, a primeira coisa que fizemos foi almoçar numa churrascaria, para matar a saudade de comer carne e comida brasileira. E assim terminou nossa segunda viagem juntos para a Europa.

Visita especial em Paris

20 de abril de 2012.

Nesse dia, fomos novamente até Roland Garros, eu e Caio. Ao lado de Roland Garros tem um parque muito bonito, um Jardim Botânico (o Jardin des Serres D’Auteuil). E enquanto o Caio foi lá comprar os ingressos e aguardar o início da visita, eu fiquei passeando ali pelo Jardim. Existem diversas estufas, simulando diversos ambientes e florestas ao redor do mundo, resolvi entrar em uma delas pra ver o que tinha e adivinhem qual era? Floresta tropical! Ri sozinha. Tantas florestas que existem no mundo e a pessoa entra num exemplar do que ela tem na própria região onde mora. Estava friozinho em Paris, mas dentro da estufa estava bem aquele clima quente e úmido que a gente conhece muito bem!! Não, não chegou a dar saudades, mas me senti em casa.

DSC_0778DSC_0781DSC_0784DSC_0783

Depois, finalmente, a tão aguardada visita a Roland Garros. Para quem é fã de Tênis é uma visita que vale muito a pena. Eles te mostram praticamente tudo do Philippe-Chatrier Court, a quadra principal, desde o fosso onde ficam os fotógrafos, até o passeio dentro da própria quadra, passando pelas salas dos jornalistas, o vestiário masculino, os armários oficiais do grandes jogadores (Federer e Nadal <3), a sala de entrevista coletiva, onde você pode se sentar no lugar dos jogadores, o “hall da fama” onde os vitoriosos assinam as paredes, e a visita dentro da quadra oficial. Muito legal mesmo! Dava para ver o brilho nos olhos de alguém. Mais legal que isso, só ver um jogo ao vivo dos ídolos ali, infelizmente estava fora da temporada de qualquer campeonato.

DSC_0787 DSC_0788 DSC_0801 DSC_0806 DSC_0811 DSC_0813 DSC_0814 DSC_0822 DSC_0824 DSC_0829 DSC00431

Eu queria muito visitar a Praça da Bastilha, por causa da grande importância histórica desse lugar para a França (se quiser conferir mais sobre o assunto, clique aqui), e lá fomos nós, de metrô (não é perto), até a tal da Praça, que me decepcionou bastante. Lógico que eu não esperava ver a Bastilha, mas algo um pouco mais bonito que uma rotatória com um mastro no meio, já que estávamos em Paris.

DSC_0841 DSC_0840

O restante do dia foi para andar sem pressa por Paris, estava nublado e ameaçando chover. Andamos até o Pantheon, que só vimos por fora, tinha que comprar ingresso para entrar, e como dessa vez não investimos no Paris Museum Pass, optamos por não entrar. Encontramos meu irmão e minha cunhada num McDonalds perto do Jardim de Luxemburgo, olha que legal, encontrar a família em Paris, foi engraçado. E depois gastamos um tempinho fazendo umas comprinhas de última hora, com direito a visita à Galeries Lafayette, maravilhosamente linda.

DSC_0853 DSC_0854 DSC_0855 DSC00430

Voilá Paris!

{19 de abril de 2012}

Chegamos em Paris no dia 18 de abril, mas chegamos tarde e só descansamos no hotel aquela noite. Fizemos a reserva no mesmo Hostel que ficamos hospedados em 2010, 2 anos depois ele não mudou muita coisa… aliás, parece sim que estava a mesma coisa, se não um pouco mais judiado pelo uso de gente meio sem educação. Nosso quarto não foi tão bom quanto da outra vez. Mas quem se importa com isso quando se está em Paris?!

Nosso principal objetivo dessa nova oportunidade em Paris era ver os locais que havíamos deixado passar na vez anterior, além de rever nossos locais favoritos. Um dos primeiros destinos foi umas das famosas estações de metrô desenhada por Hector Guimard, que são um dos grandes marcos do estilo Art Nouveau que eu tanto estudei na faculdade. Para nossa sorte, uma das 2 estações clássicas com telhado de vidro ainda conservadas, ficava a poucas quadras do nosso Hostel, ali mesmo, no Montmartre, na estação Abbesses, que ainda por cima era a estação de uma das cenas do filme “O Fabuloso Destino de Amelie Poulain” (meu xodó). Mas como em Paris você chega a qualquer lugar de metro, resolvemos ir de metrô mesmo. Estação do Guimard (checked).

Estação Abbesses Estação Abbesses

Aí foi a vez do Caio escolher sua atração “faltante”: nada menos que Roland Garros. Aí a pernada é longa… além de vários quilômetros de metrô, mais algumas quadras a pé e você chega à Roland Garros, mas você estará quase saindo de Paris. Chegando lá, surpresa: estava fechado! Tudo bem, decidimos voltar no dia seguinte, para pegar a visita guiada.

Roland Garros fechado

Partindo dali, demos aquela passada básica e necessária no Campo de Marte / Torre Eiffel / Trocadero, que sempre é lindo, que sempre vale a pena, que não é uma visita a Paris se não visitar a Torre, que você perde o fôlego e se emociona, que você não se acredita em estar novamente ali…. enfim. Eu não tinha visto ainda a Torre a partir do Trocadero, e nem visto o show das águas dali (Caio sim, eu não). E por ali devemos ter ficado, de boa, umas duas horas, pelo menos, pegamos até uma chuvinha. Ficamos ali só curtindo a vista, sem pressa, como dois apaixonados um pelo outro, e pela cidade. Torre Eiffel vista do Trocadero (checked).

DSC00212 DSC00232 DSC00237 DSC00243 DSC00246 DSC00250 DSC00258 DSC00272 DSC00297

Depois disso, fomos caminhando até o Arco do Triunfo, atração que deixei de lado da primeira vez, por não achar tão importante… e que valeria ser visitado numa segunda visita. Mas não subimos nele não, não dessa vez, fica para uma terceira visita… Arco do Triunfo (checked)

DSC00299 DSC00302

Na sequência, passeio clássico em Paris, descer a Champs-Elysées, sim, nós já havíamos andado por ela na vez anterior, mas foi da altura do Petit Palais em direção ao Louvre, dessa vez, foi desde o Arco do Triunfo, até o Louvre novamente. Muitas lojas, muitas grifes, muito glamour, muitos cafés, muitas tentações, muitos gritinhos de euforia e muitos suspiros… Descer a Champs Elysées (checked).

DSC00322 DSC00324 DSC00326 DSC00338

Passamos pelo Obelisco (Praça da Concórdia) e adentramos ao Jardim das Tulherias que amamos de paixão e sempre vale a pena uma visita. Tão Paris, tão charmoso, tão bonito… Demos aquele ‘oisinho’ de fora para o Louvre (dessa vez não entramos não, mas a tentação era grande) e fomos em direção ao Rio Sena. Passamos pela Pont des Arts e não nos lembramos dos cadeados <3, nem de passar por cima dela… Estava tão focada em ver a Pont Neuf nessa visita, que nem me lembrei da Pont des Arts, tão romântica. A Pont Neuf foi a primeira ponte de Paris sobre o Rio Sena, sua construção começou em 1578 e foi concluída em 1607. Pont Neuf (checked).

Praça da Concórdia Jardim das Tulherias Jardim das Tulherias Arco du Carrousel Pont des Arts Pont Neuf Pont Neuf

Estando na Ile de La Cité, passamos novamente por um local que adoramos e que pouca gente comenta, uma espécie de mercado de flores que tem ali pelo meio, com vários artigos lindos e exclusivos para quem ama jardinagem. É de morrer de amores.

Mercado de flores Mercado de flores

Para completar a caminhada, paramos em frente a Notre Dame e a enamoramos por algum tempo, observando o sol se abrir depois da chuva e vendo as cores da fachada mudando conforme o sol se abria novamente. Tivemos a grande sorte de pegar ela aberta por ocasião de uma missa que estava acontecendo, e com isso pudemos visitá-la novamente por dentro, sem ter que pagar por isso, além de ver uma missa linda em francês. Deus é muito bom com a gente!

DSC00395

Olha a gente já de olho nos bebês…

DSC00373 DSC00377 DSC00378 DSC00384 DSC00393

Paris e seu fim de tarde conseguem sempre nos surpreender, mesmo com o dia chuvoso e nublado que pegamos, no final do dia (lá pelas 21h), ainda conseguimos pegar aquele lindo pôr-do-sol que é mágico na cidade luz. Nos encontramos novamente com meu irmão e minha cunhada para levá-los até o Moulain Rouge, que dessa vez, vimos à noite, com seus neons de cabaré ligados.

DSC00402 DSC00404 DSC00405

Viu quanta coisa da para se fazer em Paris num dia só? E grande parte a pé, a outra parte de metrô. Com custo praticamente zero e você tem toneladas de inspiração e visões lindas.

 

Gauleses, Normandos e outros povos do passado

Esses dois aí de cima são o Asterix e o Obelix (aliás, o Obelix está segurando o mascote Ideafix), como a maioria deve saber. Esses personagens tão famosos das histórias em quadrinhos são guerreiros gauleses, cujas histórias se passam por volta do ano 50 a.C. Eles moram numa aldeia situada na península Armórica, ao norte da antiga Gália.

Gália, é o termo antigo usado para designar o atual território francês e Armórica é a região que constitui a atual península Bretanha. A Bretanha fica no noroeste da França, banhada pelo Canal da Mancha e o Oceano Atlântico. Uma das cidades dessa região banhadas pelo Canal da Mancha, é Saint-MaloSaint-Malo é uma comuna francesa na região da Bretanha, é quase divisa com a região da Normandia.

Normandia também fica no noroeste da França, colonizada pelos Normandos, é uma região conhecida pela II Guerra Mundial, a Batalha do Dia D, pelo queijo Camembert e pelos lindos castelos e cidades medievais, campos e falésias.

E aí você se pergunta: “Tá, e daí?”. E então eu te respondo: Saint Malo é a nossa porta de entrada para a Normandia, nosso destino de viagem em 2012. Sim, vamos para o tão lindo e almejado interior da França, onde maravam Asterix e Obelix.

Mas nem só isso, vamos começar por Londres, Stonehenge, e depois passamos pela Bélgica, em duas cidades e fechamos com a nossa querida Cidade Luz, que sempre vale a pena visitar.

A viagem desse ano será mais curta, só 15 dias. Mas será em dobro, com meu irmão e minha cunhada para nos fazer companhia.

Portanto, esteja de olho nos próximos posts, porque a aventura vai recomeçar.

 

Pin It
<script type="text/javascript"

Le Flâneur – stop motion de Paris

Esse é um vídeo de Paris, feito com a técnica de stop motion. O autor é um estudante da American University of Paris, chamado de Luke Shepard.

Um trabalho belíssimo feito com 2 mil fotografias, uma Nikon D90 e um tripé.

Perfeito para ver Paris de um outro ângulo, ou rever do mesmo jeito que você viu quando esteve lá. A primeira cena, por exemplo, foi feita a partir dessa escadaria aqui, pela qual passamos. E de lá tiramos uma foto da Torre Eiffel. Adorei!

Au revoir Paris… goede nacht Amsterdam

No dia seguinte (27 de abril) saímos de Paris com destino a Amsterdam. Pra resumir bastaaaaaaaaaaaaante o assunto, esse dia era antevéspera do Queen’s Day, o maior feriado Holandês, cuja maior comemoração é em Amsterdam – e não sabíamos disso quando planejamos o roteiro -. Junte-se a isso o fato das cinzas do vulcão ainda estarem sobre a Europa e com isso, caos aéreo. Resultado: sem vôo, trens lotados ou fora das datas que previmos passar na Holanda, e a preços absurdamente caros. Logicamente não decidimos como iríamos naquele dia exato, já estávamos correndo atrás disso desde quando pisamos em Paris. Chegamos a cogitar mudar os planos e ir para a EuroDisney ao invés de ir para Amsterdam. Mas graças a Deus deu certo e conseguimos ir para Amsterdam no dia exato que planejamos, e foi uma das nossas cidades favoritas. Só que fomos de ônibus :/

Whatever, ir de ônibus na Europa tem lá suas desvantagens… o ônibus não é confortável, equivalentes aos nossos ônibus intermunicipais de curta distância – ou seja, joelho colado no banco da frente – os motoristas não usam uniformes e mal falam inglês, eles também CORREM muito, e freiam! O ônibus foi lotado, tivemos que sentar naquele banco do fundo, bem no meio, 1 pessoa do meu lado e mais 2 do lado do Caio. Só aliviou depois que paramos em Bruxelas. E olha, a viagem de-mo-rou… foram cerca de 8 horas de viagem.

O que compensou foram as paisagens! Lindas! Além de passarmos por dentro de Bruxelas, na Bélgica, e em cidades holandesas como Eindhoven, pela qual ficamos encantados.

Algumas horas depois, com os pés inchados e ouvindo um casalzinho de adolescentes brasileiros literalmente baterem boca para decidir quem iria lavar a louça e dobrar o edredon se caso eles dividissem o apartamento, chegamos a cidade mais alternativa de nosso circuito. Como eu disse, nosso motorista não falava inglês, só francês ou holandês. Sabe como tivemos certeza? Pelas bicicletas!

Por sorte, começa a anoitecer depois das 21 horas… Então deu tempo de dar uma circulada pela cidade, pela Dam Square, a Central Station e o Red Light District.

Nossa primeira impressão foi realmente ótima. O clima da cidade é muito alto astral, muito agito, muita simpatia. Mesmo dos funcionários do metrô e dos recepcionistas do Hostel. A noite, Amsterdam é muito linda e charmosa com aqueles canais atravessando a cidade. O Red Light District vale uma visita. Não há nada de promíscuo no lugar, é como uma galeria de mulheres em vitrines. Interessantíssimo o contraste entre prostituição e cisnes nadando no canal. Tinha até uma excurssão da terceira idade visitando o local. É, no mínimo, divertido.

Ali começa o Red Light District

Não há mais fotos do Red Light District pois é proibido tirar fotos lá.

Para fechar a noite, jantamos num autêntico restaurante Argentino, para matar a saudade de comer um suculento pedaço de carne.

Estava uma noite fresca e agradável. Ficamos felizes por chegar em Amsterdam.

Luxemburgo, Père Lachaise e Moulin Rouge

Cimetière du Père Lachaise

No dia seguinte, 26 de abril, fomos ao Cemitério do Père Lachaise, o terreno do cemitério foi comprado em 1803 por Napoleão, e se tornou morada eterna das grandes celebridades de Paris, como Honoré de Balzac, Frédéric Chopin, Allan Kardec, Edith Piaf, Oscar Wilde, Delacroix e o cantor Jim Morrison, só pra citar alguns.

Allan Kardec

Balzac

Chopin

Delacroix

O cemitério é deslumbrante, claro que sombrio como se você estivesse num filme de terror, mas os túmulos são tão trabalhados arquitetônicamente, que merecem uma visita e você, de quebra, leva belas fotos.

O mais chinfrim, cá entre nós, é mesmo o túmulo do Jim Morrison.

Jim Morrison

Quando você entra no cemitério, há alguns jovens vendendo mapas para você localizar os túmulos das celebridades, o preço é irrisório, e o mapa é extremamente útil para você não passar um dia inteiro perdido no cemitério.

De lá, voltamos para o centro de Paris e caminhamos até os Jardins de Luxemburgo. Ficamos sentandos um tempo, apreciando a movimentação e as crianças brincando com os barquinhos a vela no lago do centro do Jardim. Vou te falar, crianças em Paris são lindas e fofamente vestidas.

Tulipas, no Jardim de Luxemburgo

Jardins de Luxemburgo

Depois de uns dias, folhando o tal livro que comprei no Museu d’Orsey, descobri que o lance dos barquinhos a vela com que as crianças brincam no Jardim de Luxemburgo, não é necessariamente algo novo…

Jardim de Luxemburgo, 1880.

Detalhe da foto

Andamos pelas ruas da cidade e tive a oportunidade de bisbilhotar as vitrines com os maravilhosos e lindos doces franceses.

Por fim, a noitinha fomos até o Moulin Rouge tirar umas fotos, que eu não iria deixar de ver em Paris de jeito nenhum.

Voulez-vous coucher avec moi?

E aí, no caminho para o “moinho vermelho” me deparei com um outro lugar muito conhecido, pouco falado.
Quem nunca viu esse cartaz aqui?

Eis aqui o tal Bistrot, no Montmartre.

Chat Noir

Oi Louvre!

No dia seguinte, 24 de abril, foi o dia da tão esperada visita ao Museu do Louvre. Eu queria MUITO ir visitar o Louvre. Uma das primeiras coisas que eu quis, foi encontrar a tal pirâmide invertida suspensa no teto, cujo vértice está sobre uma outra pequena pirâmide no chão. O museu é muito, mas muito muito grande, e quem já foi sabe que é humanamente impossível visitá-lo num dia só. Portanto, selecionamos o que mais tínhamos curiosidade de ver e fomos direto ao ponto. No nosso caso, Egito, Renascentismo, Pinturas Holandesas e Vênus de Milo. Apesar de poder tirar fotos lá dentro, não vou postá-las aqui, por que eu acredito que nenhuma foto substitui o fascínio de ver de perto e com os próprios olhos. Por conta disso, não vou estragar a espectativa de quem pretende visitar o museu um dia. Digamos que vou deixar de surpresa. Só algumas fotinhos de curiosidades abaixo. Detalhe foi receber a ligação de meu querido irmão no momento em que estava prestes a entrar na sala onde se localiza a obra mais famosa do museu, a Monalisa. Posso dizer que ele viu por tabela a Monalisa ao vivo. Depois do Louvre, mas ali no mesmo pátio, fomos ao Museu de Artes Decorativas. Além de seu acervo de mobiliário que datam desde a época medieval até os clássicos do design contemporâneo, ele abriga mostras itinerárias, como a mostra de Playmobil que estava rolando. Eu estava muito ansiosa para ver de perto uma exposição tão completa de um dos brinquedos preferidos da minha infância. Tinha lá os famosos forte apache, ambulância e policiais, mas também muita novidade que me deixaram impressionada com a variedade de cortes de cabelos, barbas, bigodes, figurinos e tantos outros detalhes dos playmobils atuais. Ali também visitei o acervo de mobiliário – minha paixão – passando por autênticos móveis de art nouveau, art déco, anos 40 e 60, além de peças ousadas de design que só tive a oportunidade de ver em livros, como essa cadeira aqui ó: Saindo dali, já no final da tarde, nosso objetivo era o centro George Pompidou. Mas encontramos, por acaso, uma galeria de design de embalagem que eu tinha visto antes pela internet, nas minhas pesquisas sobre Paris, mas que com o decorrer das últimas semanas, com o casamento e outros planejamentos da viagem, havia esquecido completamente. Foi por pura sorte. O endereço da web é esse aqui: Design Pack Gallery. Finalmente chegamos ao centro George Pompidou, repleto de arte contemporânea, quadros surrealistas, dadaísmo, construtivismo, modernismo, Kandinskys, Dalis, Duchamps, Pollocks e Picassos. Eu assim, realizei mais um sonho. E pra brindar o fim do dia, um daqueles pôr-do-sol de tirar o fôlego.

Pôr-do-sol vista de uma das salas do terraço do George Pompidou

La Defense

Nós e Paris

Continuando nossa estadia em Paris, no dia 23 de abril, pegamos o metrô e descemos na região da Ille de la Cité, por alí havia uma loja que me deixou maluca. Repleta de artigos de jardinagem e decoração para jardins.

Depois disso, nossa primeira visita foi ao interior da Catedral de Notre Dame. Os vitrais da catedral são incríveis, e isso me fez recordar uma das aulas mais marcantes que tive de História da Arte, quando minha professora (Berenice) nos contou com emoção sobre o maravilhoso espetáculo de luz e cores que a Notre Dame proporciona a quem está dentro dela. Isso foi por volta de 1998, e eu tinha a certeza que um dia eu veria esses vitrais com meus próprios olhos. Esse foi o meu dia.

Interior da Notre Dame

Interior da Notre Dame

A inundação de turistas e a lojinha vendendo rosários de cristais Swarovski a 700 euros, tiram um pouco da aura sagrada da igreja, mas não diminui a grandeza de sua arquitetura. A catedral de Notre Dame foi construida onde antes havia sido uma catedral merovíngea. Sua pedra inaugural foi colocada em 1163 e sua construção durou cerca de 200 anos. A catedral foi construída no estilo gótico. E desde 1991 ela está inscrita no Patrimônio mundial da Unesco.


Jardins ao lado da Notre Dame

Isso é Paris.

Dali, caminhamos pelo Jardin des Tuileries até alcançar o Musée de l’Orangérie. O Museu de l’Orangérie é onde está a famosa série de quadros Nymphéas, obra-prima do pintor francês Claude Monet, pintados no jardim de sua casa em Giverny. Além disso, no andar de baixo se localizam obras-primas de outros mestres da pintura impressionista que eu tive o prazer de conhecer de perto – e Caio o deleite de rever ao vivo. Cézanne, Renoir, Picasso, Matisse, Modigliani, entre vários outros. Nossa visita foi simultâna à visita de uma turma de teens acompanhados de professores. Pelo que percebi, a missão deles era sentar-se em frente a uma das telas (em absoulto silêncio) e analisá-la. Aí me peguei pensando, eles devem estar achando isso um saco, mas como eles são privilegiados… no meu tempo de estudante, eu tinha que analisar essas telas a partir de uma foto impressa numa transparência, ampliada na parede através de um retroprojetor (se você nunca ouviu falar nisso, joga no google), o que significa que, pequena como a Monalisa ou enorme como as telas dos jardins de Monet, elas ficavam basicamente do mesmo tamanho.

The crow...

Um "cãozinho" com seu dono, no Jardim das Tulherias.

Um senhor encalorado

Uma das telas de Monet

Henri Matisse - Odalisque in Red Trousers, c.1924-1925

Saímos do Musée de l’Orangérie e fomos até o Musée d’Orsay. Outrora fora uma estação de trem e à partir de 1986 transformado em museu, essa esplêndida construção já é incrível por si só. Infelizmente não pudemos tirar fotos lá dentro. A coleção de obras de arte que ele possui são de valor incalculável. Para quem aprecia a arte, é uma visita obrigatória. Foi cerca de 1 hora e meia de visita somente, não conseguimos visitar nem metade do acervo, mesmo assim, consegui ver mais obras de grandes pintores do que já pude ver em minha vida inteira. Foi simplesmente incrível, de uma beleza sem explicação. Na saída, passadinha rápida pela lojinha do museu e uma inevitável compra de dois livros fantásticos sobre Paris, que nos garantiram um bom peso a mais na bagagem até o fim da viagem (e ainda faltava uns 20 dias).

Uma visão ao longe da Catedral de Notre Dame

Ao fundo, a Assembleia Nacional

Acho essas estátuas tão bizarras, e elas são super comuns em Paris.

Bem, como bom brasileiros, resolvemos dar um pulinho na Galeries Lafayette pra fechar o dia.

E assim terminou mais um dia em Paris, regato a vinho de Bordeaux e queijo brie.

Cidade Luz

continuando…

Ei, vc não vai a Paris, a Cidade Luz, e não a conhece a noite, certo?
Na volta para a Ile de La Cité, olhamos em direção a Torre Eiffel e vimos aquele espetáculo de luzes piscando. Olhei com cara de gato de botas (do Shrek) pro marido, que topou a idéia. Resolvemos ir caminhando. O que parecia perto, se tornou bem longe. E levamos quase 1 hora para chegar até a Torre. Ela só pisca de hora em hora. Ela piscou enquanto estávamos na Ile de La Cité, e piscou novamente quando estávamos a uns 3 quarteirões dela. O resto foi corrida, pra poder tirar fotos dela ainda piscando – tudo bem, turista boba conhecendo Paris, eu sei que isso é coisa de gente vislumbrada, mas e daí se você saiu correndo a noite pela cidade? Você ainda está em Paris e lá você pode.
E assim terminou nosso primeiro dia full em Paris. Esperamos que você tenha gostado.

That’s all folks!