O hostel de Puerto Natales


Niko’s II Adventure, esse é nome do hostel em que ficamos. Estava em reforma, deverá ter outros ares a hora que você (por acaso um dia) for pra lá. Acomodações simples e caseira.Tão caseira que nos sentimos numa casa de família. Tinha até um poodle e um bebê de colo para completar. Mas foi muito bom. Gostamos bastante, principalmente pela Lulu, a francesa que nos recepcionou e nos ajudou em tudo o que foi preciso.

Hostel em Punta Arenas


Nosso hostel em Punta Arenas foi o El Conventillo. Internamente, ele parece mesmo o bairro homônimo de Buenos Aires. Organização não é muito o forte deles. Simplesmente não sabiam da nossa reserva. Mas, em compensação, os donos foram muito gentis. Nos deram duas garrafinhas de água (coisa raríssima de acontecer, geralmente eles cobram). E um café da manhã incrível de bom. Digno de hotel 5 estrelas.

Hostel em Buenos Aires



Durante nossa estadia em Buenos Aires, ficamos no Hostel Tango Suite. Muito bom o hostel, pegamos quarto matrimonial, com banho privado. Tinha calefação, roupa de cama e de banho inclusas, e um café da manhã gostosinho. Fomos muito bem atendidos. O único incoveniente foi o barulho durante a noite, não tinha “hora de respeito aos outros hóspedes”. Na nossa última noite foi péssimo dormir por causa da barulheira.

Mas a localização é ótima!

Viña del Mar




Então, não sei se ainda tem graça publicar, já que a viagem já acabou. Mas, na nossa memória ela continua mais do que presente. Sendo assim, vamos falar um pouquinho de Viña del Mar. Viña é a cidade irmã de Valparaíso. Só que é praiana. Tem uma Beira mar muito bonita, com vários jardins, decks, playgrounds e espaços para feirantes. Infelizmente, nesse dia não estava ensolarado, por isso as fotos não ficaram lá muito legais. Mas ficamos felizes em ver e sentir (estava muuuito frio) o Oceano Pacífico. Detalhe ruim: muitos cachorros e pombas andando na areia da praia.

Atualizado de hoje

Para as famílias:

ainda falta um post falando um pouquinho sobre Viña del Mar e Mendoza, que é de onde falamos agora e da qual partiremos ainda hoje, com destino a Buenos Aires novamente.

Estamos adiantando a ida para Buenos Aires porque nao encontramos muitas coisas para fazer aqui em Mendoza e preferimos visitar alguns pontos de Buenos Aires que nao tínhamos conseguido ver.

Pegaremos um bus hoje a noite e chegaremos em BuA por volta das 8 da manha. Ficaremos no hostel Che Lagarto. Na segunda voltaremos ao Brasil-il-il.

Beijos e abraços apertados.

Valparaiso














A cidade é uma coisa totalmente louca.
Ruas que serpenteiam os morros, várias ruas que terminam do nada. Casas tortas, casas coloridas, muitas escadas. Alias a cidade parece ser construida sobre escadarias.
Nao existem quadras bem definidas nem ruas paralelas.
É um caos, mas isto gera uma beleza incrivel.
Cada rua e cada esquina é diferente da outra, parece que vc anda sob uma paisagem cubista onde tudo é exagerado, as cores, formas, até o caos.
Também aqui fizemos uma amizade canina. Um dos vários cachorros de ruas que ficam perambulando pela cidade recebendo agua e comida dos moradores, resolveu nos acompanhar por um longo passeio pela parte historica da cidade. Foi pelo menos 1 hora de um passeio muito bom e, pela razao do amigo canino, tambem com mais segurança, isto porque, como a maioria das cidades portuarias, Valparaiso nao é diferente, existe muita pobreza e pequenos furtos.

Um comentario especial para o B&B onde ficamos.
Ao chegarmos tinhamos reserva num hostel chamado Caracol, mas a reserva “sumiu”. Péssimo certo? Pior que nao foi. Fomos parar no Bed and Breakfest CAMILA 109.
Muito bom o lugar tocado pelo dono, o camarada super gente boa, Ulisses.
O quarto era maior que o meu apto, mas o principal era o deck. Uma vista simplesmente espetacular da cidade e de Viña del Mar. Algo que aproveitamos no ultimo dia com um ótimo vinho e um saco de pipocas para a Day. Noite espetacular!

Y gracias Ulisses.

Casas de Pablito






As casas de Pablo Nedura sao uma atraçao no Chile. Existem 3 casas dele que viraram museus.
Todas elas possuem nomes dados por ele mesmo, La Chascona em Santiago, Isla Negra num vilarejo proximo a Valparaiso e La Sebastiana em Valparaiso.
Visitamos 2 das tres. A de Santiago passamos somente pela frente e tiramos diversas fotos.
A de Valparaiso entramos nela e foi muito legal. A casa é igual a cidade uma confusao de corredores, portas e curvas, muitas que nao levam a lugar algum. Mas tal qual a cidade, a vista da baia com a cidade e suas casa coloridas como moldura é o que nao falta. A sala de jantar e o escritório particularmente tem vistas incriveis.

Concha y Toro


Náo deixe de ver esse post novamente, colocaremos mais fotos.

Vinícula super famosa e a maior do Chile.
Muito legal conhecer toda a história de vinícula e principalmente o famoso local onde surgiu a lenda do Casillero del Diablo.
Esta foi realmente a parte mais marcante, claro que tomar um vinho de 100 dólares também nao foi nada ruim.
Valeu o passeio apesar que a visita poderia ter sido mais longa e detalhada.

Santiago

Caio passeando no Cerro Santa Lucia.

E aqui, no Cerro San Critobal.

Vista do Cerro Santa Lucia.

Day, na terraza Netuno, no Cerro Santa Lucia.

Caio e Day no mercado central. Aqui encontramos o Jorgito, uma figura sem igual q nos ajudou a encontrar alguns lugares ao redor e nos conquistou para almoçar no Donde Augusto.


Vista da Catedral.


Igreja Nossa Senhora de La Merced.


Vista do Cerro San Cristobal.


Day no Cerro San Cristobal.

Museu de Belas Artes.

Passamos 4 dias em Santiago.
Talvez por que já estávamos cansados de viajar… mas achamos que 4 dias foi mais do que suficiente para conhecer os lugares mais interessantes de Santiago.

Fomos ao Cerro San Critobal, uma vista muito linda e impressionante da cidade e da Cordilheira dos Andes. Infelizmente, a núvem de poluiçao nao deixou ver muito longe.

Visitamos também o Cerro Santa Lucia, que achamos mais charmoso q o San Critobal.

Fomos aos bares e artesanato do Bellas Artes. Palácio la Moneda. Catedral. Museo de arte Pré-Colombiano. Shopping Parque Arauco e numa Fonda no parque Santa Inês (uma das festas pátrias típicas do Chile), na qual ficamos impressionados com a limpeza e organizaçao.

Ficamos meio abalados no final, pois vimos um assalto acontecer na frente do nosso hostel, segundos depois de termos saído. A partir dalí, ficamos com medo de andarilhar por Santiago.